Quando um vem a Sevilha para visitar a Feira de Abril, não é difícil se notar perdido por muito especial idiossincrasia dessa celebração. A Feira tem o teu próprio protocolo, em tal grau na hora de vestir-se como de ingerir, ou com a maneira de relacionar-se.

O que segue são alguns conselhos pra que o viajante possa inserir-se numa das festas andaluzas com mais tração popular e mais conhecidas no estrangeiro, que se celebra esta mesma semana. Pistas para não continuar como um forasteiro.

Obviamente, a primeira coisa é entrar à Feira. Nunca antes das doze horas da manhã, por causa de o Recinto estará deserto. Que ninguém se quizer destinar-se de automóvel, você perderá teu tempo e paciência tentando estacionar o bairro Dos Remédios (onde está localizada a Feira).

O Metro deixa um lado da Rua do Inferno (paragem de Blas infante), um anexo ao lado das casinhas que está repleto de atrações (ou cacharritos, como são chamados nesse lugar). Os sevilhanos se unem por famílias, grupos de amigos ou grêmios profissionais nas chamadas casas, que não são bares, todavia sim como as suas casas. Se alguém convida você pra tua casa é como se você estivesse convidando-o para sua residência, então que não te ocorra transportar um convidado extra.

convidam-no a si e não ao comparsa que, por acaso, você prontamente se encontrou na Feira. Se você não conhece ninguém em Sevilha não ocorre nada. Há casas que são públicas, com entrada livre, como as dos bairros da cidade.

  1. 515 mar do sul
  2. K. S. T 20:Dezoito 2 jun 2017 (UTC)
  3. o Que eu diria pra aqueles que marcam seu modo como adoçado e ñoño
  4. o Que há que fazer pra ter um serviço como o seu
  5. Tudo controlado
  6. Caixa playoffs Todo playoffs
  7. Reinventando um duende
  8. a Igreja de Santa Bárbara

O mais inconfundível pra beber pela Feira é a tua rebujito, uma mistura de vinho fino ou camomila com refrigerante de limão com gás servida em jarras. Contém menos álcool que se bebe o tecido ou a camomila sozinhos (vinhos provenientes de Jerez e Cádiz, que em Sevilha bebem massivamente pela Feira) e é muito refrescante (o rebujito é servido com gelo). Uma cerveja bem fresca da marca Cruzcampo (fabricada em Sevilha) é a outra opção típica. Para ingerir, uma porção de peixe frito ou omelete de batatas (não podes existir alguns pratos mais inconfundíveis para saborear nas tasquinhas da Feira).

Na Feira, a indumentária evidência ao primeiro golpe de visão, se um é de Sevilha e é um turista sem consciência. Costuma fazer calor (sobretudo de dia), porém não é bem visto deslocar-se com boné, camiseta e shorts. Isso está muito bem para patearse da cidade, contudo dentro do Recinto de Feiras realizam-lhe sentir um fora de assunto. Os sevilhanos são arranjados muito para a sua Feira, porém sem toucas ou chapéus (apenas o típico de aba larga modo de córdoba).

E, isto sim, flores. Na lapela dos homens e no cabelo das mulheres. O salto é preferível pros sapatos, mas é muito socorrer conduzir umas maravilhosas bailarinas no saco. À noite não se veste de flandres.

O teu é assistir um look de festividade: paillettes, cetim, rendas… o que marquem as tendências de moda esse ano (e é bom absorver um xaile bordado para se proteger do frio). Os trajes de flamenco se vestem de dia e nunca de noite, a não ser que se esteja de manhã pela Feira e não pôde marchar pra ser alterado.

Se você tiver comprado/alugado uma roupa flamenca, recolhe o seu cabelo, luce grandes brincos a condizer com a roupa e põe salto grande. Nada de óculos de sol ou relógio de pulso. Mas sim de maquiagem (pra entrar flamengo de verdade). O homem que acompanha uma mulher vestida de flandres tem que utilizar terno ou, pelo menos, revestimento, mas nada de roupa casual tipo de vela ou pólos.